Acesso ao jardim Brogatá ainda causa transtorno para moradores e alunos da FAAT

Moradores e alunos ainda aguardam uma nova solução para diminuir o congestionamento durante os horários de aulas da instituição. Depois da mudança dos trajetos em 2013, alguns motoristas ainda não respeitam as sinalizações.

Há algum tempo os alunos da FAAT do campus Brogatá enfrentam certa dificuldade para chegar até a instituição, a maioria dos alunos utilizam carros, motos ou vans o que causa um grande transtorno para alunos e para os moradores da região.

Mas com o crescimento da instituição e do bairro que está se desenvolvendo e atraindo novos moradores, os horários de picos da faculdade estão cada vez pior. O Atibaia News entrevistou alunos, moradores, a FAAT e tentou contato com a Prefeitura para saber se existe um projeto de melhorias ou ideias de como poderia melhorar.

Fernanda Vaskevicius, 24, reside no bairro e é ex-aluna da FAAT. Segundo a moradora, é necessário utilizar estratégias para poder chegar à sua casa.

“Todos os dias, tenho, basicamente, duas opções para ir para casa. Preciso sair do trabalho até, no máximo, 18h30 ou então esperar até depois das 19h30. Ir para casa entre esses horários pode representar, como já aconteceu, ficar parada em um trânsito que começa já no bairro da ponte, antes da Flora Mirela. Além do grande volume de carros, presenciar o desrespeito às leis de trânsito é rotina comum para quem precisa fazer o trajeto diariamente nesses horários”, disse Fernanda.

Um dos alunos da instituição, que prefere não se identificar, nos contou que prefere utilizar a Rodovia Dom Pedro para chegar à faculdade, já que por volta da 18h50 o trajeto pela Avenida São João está parado. Para o aluno, falta de fiscalização e outros sinalizadores de trânsito ajudam a congestionar o trânsito.

“No horário da saída, quando consigo sair antes das 22h30, sem trânsito. Chego na minha casa em cinco minutos. Quando saio após este horário, chego após as 23h00, porque já começa a bagunça. Muitos alunos ao saírem da faculdade, já fazem o retorno ali mesmo, em local proibido, mesmo com os tachões dividindo a via e a placa de sinalização informando que é proibido entrar à esquerda”, comentou o aluno.

Segundo o Diretor Geral de Administração da FAAT, o Sr. Saulo Vernalha, a instituição manteve contato com a Prefeitura, se colocando à disposição para encontrar uma solução melhor para os alunos e a comunidade:

“A Instituição encontra-se totalmente à disposição dos governos municipal e estadual para auxiliá-los, sendo que, inclusive, já os contatou em outras oportunidades. Nos contatos mantidos pela FAAT, com a Prefeitura, há algum tempo, identificou-se que estariam sendo desenvolvidos projetos e pretendia-se a adoção de providências destinadas a corrigir definitivamente os problemas de acesso ao bairro. Desde a instalação do prédio a Instituição custeou a pavimentação de todo o entorno do campus, construiu as calçadas para pedestres e promoveu incremento na iluminação das ruas”, disse o prefeito.

A alteração mais recente nas vias da região foi em 2013 quando aconteceu a mudança para mão única nas Ruas Jacob (do trecho da Estrada da Boa Vista até a Rua Vereador Edmundo Zanoni), Rua Vereador Edmundo Zanoni (até o cruzamento com a Rua Anael), cruzamento da Rua Anael com a Rua Vereador Edmundo Zanoni (até desembocar novamente na Estrada da Boa Vista). Para Fernanda, esta mudança ajudou, mas ainda não foi o suficiente.

“De fato, o novo trajeto melhorou o fluxo para moradores, uma vez que o volume maior de veículos fica concentrado na entrada da FAAT. Tornar a Rua Ver. Edmundo Zanoni mão única eliminou muitos transtornos para moradores e alunos, mas a falta de rotas alternativas entre o Bairro da Ponte e o Jardim Brogotá ainda é um grande problema”, disse a moradora do Jardim Brogotá.

Para o aluno, a falta de consciência no trânsito por parte dos motoristas, atrapalha a movimentação do fluxo gerando o congestionamento.

“Muitos fazem o retorno na primeira rua a direita (rua que se tornou mão única), e a maioria dos micro-ônibus e vans que ficam parados na parte de cima, descem na contramão e entram com tudo na sua frente, nos obrigando a frear para evitar uma colisão, sendo que você é o correto e fez toda aquela volta. O novo trajeto funcionaria se todos seguissem e respeitassem as leis de trânsito, assim fluiria melhor”, reclamou o aluno.

Tentamos o contato com a Prefeitura durante a semana para esclarecer e mostrar os novos projetos. Mas até o fechamento desta matéria, nenhuma posição foi feita por parte da Assessoria ou da Secretaria de Trânsito. O Atibaia News mantém aberto a possibilidade de entrar em contato para poder tirar as dúvidas dos nossos leitores e de toda a população. Pois temas importantes devem ser abordados como: segurança do local, fiscalização do trânsito, além dos projetos que estão sendo desenvolvidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *