Quinta-feira, 24 de Outubro de 2019
Início / Notícias / Policial
Fonte:
4 de janeiro de 2014
Brasileira de 17 anos é uma das vítimas de atentado no Líbano
Postado por Lenix Barbosa

 

A brasileira Malak Zahwe, 17, é uma das vítimas do atentado a bomba que deixou ao menos cinco mortos nesta quinta-feira em Beirute. A explosão feriu também mais de 60 pessoas em uma região sob a influência do grupo Hizbullah.

Nascida em Foz do Iguaçu, Malak morava há anos na capital libanesa. A reportagem confirmou a informação com Nadir Zahwe, sua prima, pelo telefone.

"Malak estava comprando roupas novas com a madrasta dela. A explosão atingiu a loja onde elas estavam. Ela morreu", afirmou Nadir, que foi informada por familiares.

Reprodução/Facebook
AnteriorPróxima
A brasileira Malak Zahwe, 17, morta no atentado a bomba em Beirute, Líbano

A brasileira morava em Beirute com sua madrasta, também vítima dessa explosão, seu pai e três irmãos.

A reportagem entrou em contato com a embaixada brasileira em Beirute para confirmar a morte, mas não obteve resposta. Em nota oficial, sem mencionar Malak, o governo do Brasil reiterou o "irrestrito apoio aos esforços pela manutenção da estabilidade política do país".

O atentado foi realizado na região de Haret Hreik, próximo à construção que abriga o canal de televisão Al-Manar, ligado à facção Hizbullah. De acordo com as autoridades, os explosivos, estimados em 30 quilos, estavam dentro de um veículo.

Editoria de Arte/Folhapress

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um correspondente da rede de TV Al Arabiya afirmou que uma série de carros-bomba foram desarmados nessa mesma região sem haver anúncio público, de maneira a evitar causar pânico entre a população libanesa.

O fato de o ataque ter sido realizado em um bastião do Hizbullah foi interpretado por analistas como sinal de que a rede de segurança dessa facção xiita foi rompida.

Segundo Saad al-Hariri, ex-premiê e importante figura política no país, as vítimas dos atentados recentes são dano colateral "do envolvimento em guerras externas", em referência à participação do Hizbullah no conflito da Síria, ao lado do regime do ditador Bashar al-Assad.

Ao enviar guerreiros à vizinha Síria, o Hizbullah opôs-se diretamente às facções sunitas que lutam pela deposição do ditador Assad.

Na semana passada, outro carro-bomba deixou sete mortos e mais de 50 feridos na capital libanesa. Entre as vítimas estava Mohammad Chatah, ex-ministro e um desafeto público do Hizbullah.

"Essa é uma grande batalha contra o terrorismo", afirmou ontem Ali Hassan Khalil, ministro da Saúde do Líbano. "Todos são alvos, não importa de onde vêm."

Folha Online

 
Compartilhe

0 Comentários

Escrever Comentário



(não será divulgado)







 
© 2009 MS NOTÍCIAS - Todos os direitos reservados