Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017
Início / Notícias / NOVELAS
Fonte:
28 de setembro de 2016
Em "Velho Chico": Afrânio faz acerto de contas com Martim no Além
Postado por Jessica Silva

 

Lee Taylor (Martim) terá cena de conexão espiritual com Antonio Fagundes (Afrânio) no final - Reprodução/TV Globo

Lee Taylor (Martim) terá cena de conexão espiritual com Antonio Fagundes (Afrânio) no final. REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Pai e filho terão uma conexão espiritual nos últimos capítulos da novela Velho Chico. Arrependido por nunca ter amado Martim (Lee Taylor), Afrânio (Antonio Fagundes) sairá em busca do herdeiro. Enganado por Carlos Eduardo (Marcelo Serrado), ele seguirá uma pista falsa para encontrar o fotógrafo, assassinado pelo político. Debilitado, o coronel viajará pelo rio São Francisco durante dias até se deparar com o barco fantasma Gaiola Encantado. Nesse momento, ouvirá o filho morto falando dele. Os dois "apagarão" as mágoas e irão às lágrimas ao lembrar do único momento afetuoso que tiveram na vida.

O acerto de contas entre os dois começará a ser exibido no penúltimo capítulo da trama, previsto para ir ao ar no próximo dia 29. Afrânio sofrerá um golpe atrás do outro daqui até lá. Sua mãe morrerá, Iolanda (Christiane Torloni) o abandonará e, por último, Santo (Domingos Montagner) lhe entregará fotos feitas por Martim de Carlos Eduardo recebendo uma mala de dinheiro em uma empresa de fachada. As imagens indicarão que o novo Saruê está por trás do sumiço do jornalista. 

Afrânio terá um embate com seu sucessor, mas o vilão negará que tenha matado Martim e fará Queiroz (Batoré) dar um jeito de convencer o ex-sogro de que o filho está vivo. Coagido, o recepcionista da pousada em que Martim se hospedará antes de morrer afirmará ao coronel que seu filho foi embora dizendo que ia descer pelas águas do rio até chegar ao mar.

Cícero (Marcos Palmeira) será o parceiro de Afrânio nessa jornada. Ele cuidará do patrão e ouvirá suas lamúrias de arrependimento. Quando o jagunço estiver cansado, fazendo de tudo para Afrânio desistir de seguir o rio, o Saruê verá uma embarcação no meio do "Velho Chico". "É Martim, meu filho", dirá ele.

O público verá Martim no barco fantasma, logo após ele ser assassinado. A viagem do fotógrafo será de reflexão, sempre falando com o capitão do Gaiola Encantado sobre sua vida e os problemas da região, a maior parte gerados pelo coronelismo e o desrespeito do ser humano com a natureza.

Barco do Além

"Ao passo que Cícero cruza por trás do patrão vê-se o rio sob a sua perspectiva: vazio. O jagunço aperta os olhos naquela direção e não encontra absolutamente nada", indica o roteiro escrito por Benedito Ruy Barbosa e Bruno Luperi. "Dá pra ouvir a voz dele, dá pra ouvir Martim", falará o coronel.

Cícero, assustado, pedirá para o coronel parar com essa conversa. "Ele  falando, Cícero! É Martim! Você não está ouvindo? É ele, Cícero, meu filho, eu estou ouvindo! Ele  falando de mim", esbravejará Afrânio.

No Além da trama, representado pela embarcação fantasma, Martim estará contando ao capitão qual é a lembrança mais bonita que tem do pai. "Acontece que criança nenhuma sabe o que é morrer, não que adultos saibam, mas crianças não entendem a morte. Quando era novo, tinha medo de dormir. Não era medo de escuro, de ficar sozinho. Era medo de fechar os olhos e dormir. Uma madrugada, depois de Tereza [Camila Pitanga] e minha avó dormirem querendo me fazer dormir, fui andar pela casa. Fazia isso às vezes, menos no escritório do coronel. Até que esse dia eu fui! Pensei que estava sozinho até ouvir a voz dele perguntar", dirá o fotógrafo.

Encontro espiritual

A câmera cortará para Afrânio, dando continuidade à fala do filho: "Também não consegue dormir?", lembrará o coronel, emocionado. "Senti o corpo parar. Pensei que fosse apanhar e sabia que, se fugisse, a surra ia ser ainda maior. Mas ele me disse com a voz calma, não me bateu, não gritou, nada. Apenas perguntou se eu também não conseguia dormir? Então, virou a cadeira até mim e me ofereceu seu colo. Fiquei perplexo, não sabia o que fazer. Sem sequer olhar nos meus olhos, ele foi falando, como se soubesse tudo de mim", contará Martim.

De olhos fechados, Afrânio seguirá lembrando e dando continuidade ao que filho morto diz: "Desde que sua mãe morreu eu não durmo. Não sei porque, nem como, só não consigo fechar os olhos. Toda noite é isso. Quando fecho os olhos, penso que eles nunca mais vão abrir. Penso que dormir é como morrer por uma noite", falará o Saruê.

Martim dirá que o pai traduziu o que nem ele sabia que estava sentindo. "Fiquei no colo dele até adormecer nos seu braços. Ele me disse para não ter medo de morrer, porque...", vai se recordar o fotógrafo, pausando aí. "Morrer era como dormir até o fim da vida", completará o coronel. Nisso, ele ouvirá o apito do Gaiola. O capítulo será encerrado com um close do desespero de Afrânio, gritando o nome do filho. 

 

UOL

Compartilhe

0 Comentários

Escrever Comentário



(não será divulgado)







 
© 2009 MS NOTÍCIAS - Todos os direitos reservados